Os jovens — e digo os jovens de todas as classes — estám um pouco a mercê de um sistema que nom conta com eles, que, hipocritamente, fala deles. O 25 de Abril nom foi feito para esta sociedade, para aquilo que estamos agora a viver. Aqueles que ajudárom a fazer o 25 de Abril, que nom fôrom só aqueles que o figérom, imaginárom umha sociedade muito diferente da atual, que está a ser oferecida aos jovens. Os jovens deparam-se com problemas tam graves ou talvez mais graves que aqueles que nós tivemos que enfrentar — o desemprego, por exemplo — e por isso nom tenhem recursos. O sistema ultrapassa-os, o sistema oprime-os, criando-lhes umha aparência de liberdade.

Eu creio que a única atitude foi aquela que nós tivemos — «nós», eu refiro-me à minha geraçom — de recusa frontal, de recusa inteligente, se possível até pola insubordinaçom, se possível até pola subversom do modelo de sociedade que está a ser oferecido. Com belos discursos, com o fundamentamento da legalidade democrática, com o fundamento do respeito polos cidadaos, polos direitos dos cidadaos, é de facto umha sociedade teleguiada de longe por qualquer FMI, por qualquer deus banqueiro, que é imposta aos jovens de hoje. Tal como nós, eles tenhem que a combater, tenhem que a destruir, tenhem que a enfrentar com todas as suas forças. Organizar-se para criarem a sociedade que tenhem em mente, que nom é, com certeza, estou convencido, a sociedade de hoje.

— Excerto de uma entrevista à RTP em 1984.

3 semanas atrás

AJA Galiza

Proximamente... 'José Afonso, Geografias de uma vida' em Compostela

Cultura da Deputación da Coruña
Centro Sociocultural do Ensanche
Rede da GaliLusofonia
Associação José Afonso
... Ver maisVer menos

Ver no Facebook