Home2019-04-23T11:10:57+02:00
Ver o programa

«a Galiza nom fica
no Minho»

O Zeca Afonso teceu umha forte relaçom com a Galiza. Nom só nos seus concertos no nosso país e nas inúmeras amizades que cultivou, como também na comprensom do facto popular e nacional da Galiza. Foi ele quem disse para os seus compatriotas «a Galiza nom fica no Minho!»

o Zeca na Galiza

a Associaçom

os Eventos

«A Galiza é para mim umha espécie de Pátria espiritual. Foi umha experiência maravilhosa. Algo especial.

Talvez ninguém me entendesse como na Galiza»

Acompanha-nos
nas Redes

Twitter

Facebook

Unable to display Facebook posts.
Show error

Error: (#10) To use 'Page Public Content Access', your use of this endpoint must be reviewed and approved by Facebook. To submit this 'Page Public Content Access' feature for review please read our documentation on reviewable features: https://developers.facebook.com/docs/apps/review.
Type: OAuthException
Code: 10
Please refer to our Error Message Reference.
José Afonso sentíase identificado con Galiza e mantiña un interese polo noso idioma e a nosa cultura, aspectos que teimou en defender publicamente. E, asemade, declaraba a necesidade dun intercambio cultural, permanente, entre a Galiza e Portugal.
Xico de Carinho, Músico, directivo da Associação José Afonso em Portugal, organizador e participante musical de várias giras do Zeca pela Galiza.
O Zeca Afonso fai bater no peito o ritmo da liberdade.
Manolo Bacalhau, Músico
José Afonso, o Zeca de óculos grandes e ar distraído, soube deixar-nos um legado: é possível acreditar que as palavras e a música podem ser arte a nunca esquecer. Mas deixou-nos outro legado: o seu exemplo de cidadania prova-nos, ainda hoje, que é possível sonhar com um novo mundo… sem “muros nem ameias”! Por tudo isso o Zeca continuará a andar sempre por aqui!
Paulo Esperança, Vice-Presidente da Direcção da Associação José Afonso
José Afonso fez com que várias gerações de portugueses se identificassem e decoram-se as suas canções e, por sua vez, as integrassem naquela que é a tradição cultural portuguesa. Mas, Zeca, conseguiu mais do que isso. Conseguiu, com a Galiza, completar o último vértice do seu triângulo mágico África – Portugal, influenciando músicos, poetas e escritores que, até hoje, nele se inspiram.
Carla Sofia Amado, Responsável do Camões - Centro Cultural Português em Vigo

Algúns bares poñen o Grândola cando queren pechar pero raras veces o conseguen: o Grândola non é unha canción de pechar senón de abrir.

Maria do Cebreiro, Poeta, ensaísta e professora de Teoria da Literatura na USC